Avançar para o conteúdo principal

SILÊNCIO


 
Com  exceção de alguns "detalhes", nada é mais idêntico do que o nascimento e a morte.
O que acontece pelo meio pode ser mais ou menos magnífico dependendo de alguns fatores.
O amor e o silêncio são parâmetros vitais nessa distância, vírgulas que balizam a cidadania do bom senso.
Após 259200 minutos desde a última publicação... aqui vai a minha modesta  reflexão:
 
 
O silêncio calibra e posiciona a  vida,
O silêncio é necessário para perceber que
Nem tudo é tão grave/ nem tudo é tão leve.
Nem tudo é amor/nem tudo é "não amor"
nem tudo verdade/nem tudo é mentira
nem tudo é justo/nem tudo é injusto
NEM TUDO É INFORMAÇÃO/ nem tudo é nada
Morremos e renascemos,
choramos e rimos 
aprendemos silenciando.
nada é certo...certo contudo é o silêncio.

Ser cidadão ativo não é apenas dar VOZ,

é ser Voz é SER Silêncio. 
 

Em 1952, o compositor John Cage apresentou uma peça de vanguarda ao público americano. Entrou no palco, sentou-se à frente do piano, ligou um cronómetro e, durante exatos 4 minutos e 33 segundos, ficou em... silêncio. Para o artista, a música eram os leves murmúrios produzidos pela plateia atónita. Ao final desse tempo, Cage levantou-se e agradeceu ao público como se tivesse acabado de apresentar uma de suas obras convencionais. O que o músico queria? Provocar reflexão em meio à ausência de som! A Sua extravagante composição virou um clássico executado até hoje, batizado de 4'33.

Parabéns John!
 

Mensagens populares deste blogue

Oil and gas in Portugal? No!

Não, não  consigo imaginar o que acontecerá depois do inicio da exploração de hidrocarbonetos na costa de Portugal... o que acontecerá à flora, à fauna  e ao meu coração português!
Fotografia tirada por mim em Aljezur

Não seja mero espectador

Envelhecimento da população pode pôr em causa as dádivas de sangue (Fonte: SIC notícias)


Do que está à espera? Não seja um mero espectador! Quem se vê numa situação de necessidade sabe a importância do que estou a falar. Não custa nada... é tão fácil!  Dirija-se ao serviço de sangue do hospital da sua zona de residência.

Fotografia tirada por mim no palco do Teatro Lethes em Faro


Mira

Olhe para além do horizonte...

o que para si é dado como garantido pode não ser para qualquer outro cidadão...

O valor de estar seguro?
De ter cuidados de saúde?
De ter a acesso à educação?
De ter liberdade para dizer o que pensa?

....olhe ... olhe bem...

participe, doe, faça...

seja ativo e não se conforme com a injustiça...

Sinta-se O cidadão isento, com visão genuína, transparente e transversal. Estabeleça prioridades, saiba perder...Seja  verdadeiramente feliz!

Fotografia tirada por mim em Aljezur