Avançar para o conteúdo principal

Um bocadinho de História

As palavras cidadania, cidadãos e cidades possuem uma mesma origem semântica. A palavra “cidadãos” tanto representa os habitantes de uma cidade, quanto os indivíduos que possuem direitos civis, políticos e sociais.
Para a pessoa ser cidadã e ter direito à cidadania e a viver plenamente sua vida, são necessários os direitos civis. Todos os cidadãos têm o direito à liberdade, à propriedade e à igualdade perante a lei – o conjunto desses direitos forma a sociedade civil.
Os direitos políticos de um cidadão que tem pleno gozo de sua cidadania referem-se à participação no governo da sociedade através de manifestações políticas, discussões dos problemas do governo, organização de partidos, de votar e de ser votado.
Para efetivar o pleno exercício do cidadão e do direito à cidadania, temos também os direitos sociais, que incluem o direito ao trabalho, ao salário, à saúde, à educação e à moradia. Todos os direitos dos cidadãos que formam a cidadania são baseados na justiça social. Aliás, além dos direitos, os cidadãos também devem seguir seus deveres perante a lei, perante a sociedade.
A ideia de cidadão e do direito à cidadania surgiu na Antiguidade, quando a cidade representava a unidade comunitária. Portanto, a palavra “cidadania” deriva de “cidade” e é no espaço público das cidades que os cidadãos se encontram para reivindicar seus direitos, sua cidadania.
Desde a Antiguidade, várias pessoas não tiveram o direito à sua cidadania – foram cidadãos sem cidadania, ou seja, sem os direitos civis, sociais e políticos. A escravidão, desde a Antiguidade até à contemporaneidade, constituiu a plena proibição à liberdade das pessoas escravizadas.
As relações de servidão na Idade Média restringiram a liberdade do camponês e tiraram dele o direito de ter uma propriedade. No período medieval, somente os nobres possuíam terras. Na Idade Contemporânea, milhões de pessoas não possuem um pedaço de terra. O exemplo do Brasil é clássico: o país possui uma grande extensão territorial, mas a maioria da terra sempre esteve em posse de grandes latifundiários, enquanto a grande parte da população é conhecida como “sem-terra”. Há séculos se falou em reforma agrária (a distribuição de terras entre a população sem-terra), mas isso parece estar longe de acontecer.
Os exemplos de não exercício da cidadania são muitos; citamos alguns exemplos para demonstrar que a cidadania não alcança todos os cidadãos, mas poucos.

Por Leandro Carvalho
Mestre em História

Mensagens populares deste blogue

A importância da multiplicação e divisão na Matemática

Não tanto devido à minha formação em gerontologia social, mas porque o trabalho destes colegas merece ser partilhado pelo mérito e excelência no papel que têm tido no quebrar de preconceitos e diminuição de tabus em relação aos mais velhos de nós, aqui vai foto editada por #portugueselily com muito muito orgulho! Parabéns pela extraordinária capacidade na inclusão de quem infelizmente,  pela sua natural  vulnerabilidade...é excluido.

Nascer Cidadão

Nascer Cidadão O projecto "Nascer Cidadão" permite registar os recém-nascidos imediatamente no próprio hospital ou maternidade logo após o nascimento perante funcionário do registo civil que para este efeito se desloca às unidades de saúde.

Sendo o nascimento declarado no hospital no posto de atendimento do nascer cidadão, não é necessária qualquer deslocação à conservatória do registo civil.

Para o registo de nascimento das crianças é necessário:
Escolher o nomeO nome é formado no máximo por dois nomes próprios e quatro apelidos.
- Os apelidos são os nomes de família.
- Sendo a criança estrangeira o seu nome será composto de acordo com a lei da sua nacionalidade. Escolher a naturalidadeFreguesia e concelho da maternidade, ouFreguesia e concelho da residência habitual da mãe.Apresentar os documentos de identificação dos pais sempre que possível.Após o registo de nascimento é entregue documento comprovativo do mesmo.O registo é gratuito. Fonte: http://www.irn.mj.pt/IRN/sections/ir…