Avançar para o conteúdo principal

Para ser um cidadão feliz...


Alguns ingredientes para ser um cidadão feliz...

Para ser um cidadão feliz não preciso morar num luxuoso paraíso tropical, com sol o ano inteiro, culinária irresistível e outros prazeres.
Para ser um cidadão feliz eu preciso sorrir, ter saúde e me sentir bonito. Passear de bicicleta em ruas bem tratadas e seguras, inclusive à noite.
Para ser um cidadão feliz não preciso ser melhor que ninguém, porque ninguém também será melhor que eu.
Para ser um cidadão feliz a liberdade é sagrada. Poder expressar tudo o que quero. Não me vergar diante de intimidações e não recuar de meus próprios valores.
Para ser um cidadão feliz eu não preciso de mais tecnologia, eu não preciso de censura, enfim, eu não preciso de nada que me reprima. Proibir, somente o que for muito necessário para me desestimular do crime.
Para ser um cidadão feliz eu aceito pagar a me tornar especialista em driblar o leão do imposto de renda.
Para ser um cidadão feliz eu preciso que me dêem de volta em forma de benefícios o dinheiro que me tomam.
Para ser um cidadão feliz eu quero educação gratuita e ser obrigado a ir à escola por pelo menos dez anos. Preciso de formação para iniciar na vida profissional.
Para ser um cidadão feliz eu preciso de uma escola caprichosa com os alunos, que me ensine uma língua do mundo globalizado para poder ser um motorista de táxi, um porteiro de restaurante, um lixeiro ou seja lá o que for.
Para ser um cidadão feliz eu preciso contar com um hospital e acesso a médicos especialistas, sem que nessa hora difícil eu precise me preocupar com filas, desídia, com a carteirinha do convênio e, menos ainda, com o favor do político. Se eu tiver uma doença e precisar de remédio, que seja a preço acessível.
Para ser um cidadão feliz eu quero trabalhar até os meus 65 anos e depois receber uma aposentadoria ou pensão. Mas quero seguir trabalhando não mais que 10 dias por mês, para manter a minha saúde mental.
Para ser um cidadão feliz eu prefiro o modelo de Copenhague, na Dinamarca, ao das grandes cidades brasileiras e outras como Nova York, onde o que se vê é gente andando apressadamente com celular colado ao ouvido e laptop pedindo para ser ligado o tempo todo.
Para ser um cidadão feliz eu preciso de leis que me garantam que ninguém é superior a mim. Leis assim podem ser revisadas mas não questionadas, para ter o efeito de me fazer sentir seguro e com a autoestima elevada.
Para ser um cidadão feliz eu não posso viver numa sociedade de vencedores e perdedores. Basta haver uma crise econômica e eu perco o meu emprego e vou parar no time dos perdedores, tal qual o modelo americano e tantos outros que continuam querendo copiá-lo.
Para ser um cidadão feliz eu não posso acreditar em mitos e lendas como a idéia de que o brasileiro é um povo feliz. Felizes são os povos da Suécia, Noruega e Islândia. Feliz será o povo da Inglaterra quando o governo daquele país resolver trabalhar para que as pessoas se tornem mais felizes e não mais ricas como acontece com os seus vizinhos do norte.
Para ser um cidadão feliz eu quero dizer que sou feliz quando perguntado, responder com delicadeza, diferente do que acontece em Paris ou Londres, onde pregaram o Estado mínimo, porque não procuraram um caminho alternativo entre o capitalismo e o socialismo.
Para ser um cidadão feliz, brasileiro, eu quero adotar os bons exemplos. Bons exemplos de países e de cidades. Ainda que não dê tempo para mim, que sejam para meus filhos e meus netos. Simples!
(Texto inspirado em reportagem “O país mais feliz do mundo”, publicado em Época de 24/05/10).
Geraldo Magela Silva
gera.magela@terra.com.br Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
  • Para ser um cidadão feliz não preciso morar num luxuoso paraíso tropical, com sol o ano inteiro, culinária irresistível e outros prazeres.
 
  • Para ser um cidadão feliz eu preciso sorrir, ter saúde e me sentir bonito. Passear de bicicleta em ruas bem tratadas e seguras, inclusive à noite.
 
  • Para ser um cidadão feliz não preciso ser melhor que ninguém, porque ninguém também será melhor que eu.
 
  • Para ser um cidadão feliz a liberdade é sagrada. Poder expressar tudo o que quero. Não me vergar diante de intimidações e não recuar de meus próprios valores.
 
  • Para ser um cidadão feliz eu não preciso de mais tecnologia, eu não preciso de censura, enfim, eu não preciso de nada que me reprima. Proibir, somente o que for muito necessário para me desestimular do crime.
 
  • Para ser um cidadão feliz eu aceito pagar a me tornar especialista em driblar o leão do imposto de renda.
 
  • Para ser um cidadão feliz eu preciso que me dêem de volta em forma de benefícios o dinheiro que me tomam.
 
  • Para ser um cidadão feliz eu quero educação gratuita e ser obrigado a ir à escola por pelo menos dez anos. Preciso de formação para iniciar na vida profissional.
 
  • Para ser um cidadão feliz eu preciso de uma escola caprichosa com os alunos, que me ensine uma língua do mundo globalizado para poder ser um motorista de táxi, um porteiro de restaurante, um lixeiro ou seja lá o que for.
 
  • Para ser um cidadão feliz eu preciso contar com um hospital e acesso a médicos especialistas, sem que nessa hora difícil eu precise me preocupar com filas, desídia, com a carteirinha do convênio e, menos ainda, com o favor do político. Se eu tiver uma doença e precisar de remédio, que seja a preço acessível.
 
  • Para ser um cidadão feliz eu quero trabalhar até os meus 65 anos e depois receber uma aposentadoria ou pensão. Mas quero seguir trabalhando não mais que 10 dias por mês, para manter a minha saúde mental.
 
  • Para ser um cidadão feliz eu preciso de leis que me garantam que ninguém é superior a mim. Leis assim podem ser revisadas mas não questionadas, para ter o efeito de me fazer sentir seguro e com a autoestima elevada.





Fonte:  http://piracaia-com.web04.webserverbr.net/index.php?option=com_content&view=article&id=229:para-ser-um-cidadao-feliz-&catid=35:geraldo-magela-silva-&Itemid=86  Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Mensagens populares deste blogue

A importância da multiplicação e divisão na Matemática

Não tanto devido à minha formação em gerontologia social, mas porque o trabalho destes colegas merece ser partilhado pelo mérito e excelência no papel que têm tido no quebrar de preconceitos e diminuição de tabus em relação aos mais velhos de nós, aqui vai foto editada por #portugueselily com muito muito orgulho! Parabéns pela extraordinária capacidade na inclusão de quem infelizmente,  pela sua natural  vulnerabilidade...é excluido.

Nascer Cidadão

Nascer Cidadão O projecto "Nascer Cidadão" permite registar os recém-nascidos imediatamente no próprio hospital ou maternidade logo após o nascimento perante funcionário do registo civil que para este efeito se desloca às unidades de saúde.

Sendo o nascimento declarado no hospital no posto de atendimento do nascer cidadão, não é necessária qualquer deslocação à conservatória do registo civil.

Para o registo de nascimento das crianças é necessário:
Escolher o nomeO nome é formado no máximo por dois nomes próprios e quatro apelidos.
- Os apelidos são os nomes de família.
- Sendo a criança estrangeira o seu nome será composto de acordo com a lei da sua nacionalidade. Escolher a naturalidadeFreguesia e concelho da maternidade, ouFreguesia e concelho da residência habitual da mãe.Apresentar os documentos de identificação dos pais sempre que possível.Após o registo de nascimento é entregue documento comprovativo do mesmo.O registo é gratuito. Fonte: http://www.irn.mj.pt/IRN/sections/ir…