Avançar para o conteúdo principal

O cidadão e o respeito pelos animais

Cidadão e o respeito pelos animais

Artigo 1º
1. Todos os animais nascem iguais perante a vida e têm os mesmos direitos à existência.


Artigo 2º
1. Todo o animal tem o direito de ser respeitado.
2. O homem, enquanto espécie animal, não pode atribuir-se o direito de exterminar os outros animais ou de os explorar, violando esse direito. Tem a obrigação de empregar os seus conhecimentos ao serviço dos animais.
3. Todos os animais têm direito à atenção, aos cuidados e à protecção do homem.


Artigo 3º
1. Nenhum animal será submetido a maus tratos nem a actos cruéis.
2. Se a morte de um animal é necessária, esta deve ser instantânea, indolor e não geradora de angústia.




Artigo 4º
1. Todo o animal pertencente a uma espécie selvagem tem o direito de viver livre no seu próprio ambiente natural, terrestre, aéreo ou aquático, e a reproduzir-se.
2. Toda a privação de liberdade, incluindo aquela que tenha fins educativos, é contrária a este direito.




Artigo 5º
1. Todo o animal pertencente a uma espécie que viva tradicionalmente em contacto com o homem, tem o direito a viver e a crescer ao ritmo das condições de vida e liberdade que sejam próprias da sua espécie.
2. Toda a modificação do dito ritmo ou das ditas condições, que seja imposta pelo homem com fins comerciais, é contrária ao referido direito.




Artigo 6º
1. Todo o animal que o homem tenha escolhido por companheiro, tem direito a que a duração da sua vida seja conforme à sua longevidade natural.
2. O abandono de um animal é um acto cruel e degradante.




Artigo 7º
1. Todo o animal de trabalho tem direito a um limite razoável de tempo e intensidade de trabalho, a uma alimentação reparadora e ao repouso.



Artigo 8º
1. A experimentação animal que implique um sofrimento físico e psicológico é incompatível com os direitos do animal, quer se trate de experimentações médicas, cientificas, comerciais ou qualquer outra forma de experimentação.
2. As técnicas experimentais alternativas devem ser utilizadas e desenvolvidas.



Artigo 9º
1. Quando um animal é criado para a alimentação humana, deve ser nutrido, instalado e transportado, assim como sacrificado sem que desses actos resulte para ele motivo de ansiedade ou de dor.



Artigo 10º
1. Nenhum animal deve ser explorado para entretenimento do homem.
2. As exibições de animais e os espectáculos que se sirvam de animais, são incompatíveis com a dignidade do animal.



Artigo 11º
1. Todo o acto que implique a morte de um animal, sem necessidade, é um biocídio, ou seja, um crime contra a vida.



Artigo 12º
1. Todo o acto que implique a morte de um grande número de animais selvagens é um genocídio, ou seja, um crime contra a espécie.
2. A contaminação e destruição do ambiente natural conduzem ao genocídio.



Artigo 13º
1. Um animal morto deve ser tratado com respeito.
2. As cenas de violência nas quais os animais são vítimas, devem ser proibidas no cinema e na televisão, salvo se essas cenas têm como fim mostrar os atentados contra os direitos do animal.



Artigo 14º
1. Os organismos de protecção e salvaguarda dos animais devem ser representados a nível governamental.
2. Os direitos dos animais devem ser defendidos pela Lei, assim como o são os direitos do homem.



Esta declaração foi proclamada em 15 de Outubro de 1978 e aprovada pela UNESCO, e posteriormente pela ONU.

 

Fonte: http://direitosdosanimais.no.sapo.pt/direitosdosanimais.htm

Mensagens populares deste blogue

Oil and gas in Portugal? No!

Não, não  consigo imaginar o que acontecerá depois do inicio da exploração de hidrocarbonetos na costa de Portugal... o que acontecerá à flora, à fauna  e ao meu coração português!
Fotografia tirada por mim em Aljezur

Não seja mero espectador

Envelhecimento da população pode pôr em causa as dádivas de sangue (Fonte: SIC notícias)


Do que está à espera? Não seja um mero espectador! Quem se vê numa situação de necessidade sabe a importância do que estou a falar. Não custa nada... é tão fácil!  Dirija-se ao serviço de sangue do hospital da sua zona de residência.

Fotografia tirada por mim no palco do Teatro Lethes em Faro


Mira

Olhe para além do horizonte...

o que para si é dado como garantido pode não ser para qualquer outro cidadão...

O valor de estar seguro?
De ter cuidados de saúde?
De ter a acesso à educação?
De ter liberdade para dizer o que pensa?

....olhe ... olhe bem...

participe, doe, faça...

seja ativo e não se conforme com a injustiça...

Sinta-se O cidadão isento, com visão genuína, transparente e transversal. Estabeleça prioridades, saiba perder...Seja  verdadeiramente feliz!

Fotografia tirada por mim em Aljezur